quarta-feira, 21 de maio de 2014

RedeTV continua com baixos números

Há quase dois anos, comentei sobre a baixa audiência que a RedeTV! estava registrando, que também resultou em uma crise financeira após a saída da equipe do Pânico. O programa de Emílio Surita e cia. era o campeão de pontos no Ibope, com isso outras atrações da casa conquistavam números mais expressivos, seja por causa do efeito cascata (a boa audiência de um programa continua com a próxima atração) ou pela divulgação nos intervalos do humorístico.
Mas, a RedeTV! deu a volta por cima, conseguiu driblar os problemas financeiros e já se acostumou com a ida do Pânico para a Band. O que ainda não mudou é a crise de audiência da emissora que registra seus melhores resultados com apenas 2 pontos.
O que chama a atenção é falta de estratégia de uma programação que consiga fisgar o interesse do telespectador. João Kleber, tido como o principal nome do canal, juntamente com Luciana Gimenez, realmente conseguiu elevar os índices do período matutino, mas sua aparição todos os dias na grade da emissora (Você na TV, de segunda à sexta, e Teste de Fidelidade aos domingos, com reprises aos sábados), já pede descanso.


Agora, o que mais atrapalha o bom desempenho do canal de Osasco é a exibição de programas religiosos entre as produções. O TV Fama, por exemplo, que alcança os preciosos 2 pontos, entrega o horário para a Igreja Internacional da Graça de Deus, com isso o RedeTV! News, que vem em seguida, sofre para elevar a audiência e ajudar a linha de show da emissora que começa às 23 horas. O mesmo acontece com os programas Bola Dividida e A Tarde é Sua.
É claro que o canal ganha um bom valor para criar em sua grade um espaço para tais programas, mas será que compensa? Esse dinheiro não poderia vir de patrocinadores que estariam dispostos a divulgar suas marcas em atrações produzidas pelas equipes que lá trabalham?
O slogan da emissora não faz jus ao nome e decepciona profissionais da área, que perdem espaço para um conteúdo que já vem pronto, e também telespectadores que se refugiam na TV a cabo e internet. Isso é uma pena!